Domicio do Nascimento Junior
 

Seleção para leitura
Consorciacao de pastagens
Manejo do Pastejo
Considerações do Professor
Avaliação de Pastagens com Animais
Avaliação de Forrageiras
Avaliação da Digestibilidade
Anatomia e Histologia
Adubação nitrogenada
Consumo
Capim-Elefante
Desfolhação
Degradação de Pastagens
Formação de pastagens
Ecologia
Fixação de Nitrogênio
Fenação
Irrigação de pastagens
Glossário
Manejo de pastagens
Morfogênese
Nutrição a pasto
Queima de pastagens
Produção de Matéria Seca das Pastagens
Perfilhamento
PRODUÇÃO ANIMAL A PASTO
Pastagens Nativas
Produção de sementes
Principios de Fisiologia
Pragas das pastagens
Raízes
Reciclagem de Nutrientes
Silagem
Seletividade animal
Suplementação
Sustentabilidade de pastagens
Valor Nutritivo

   Morfogênese

      ESTRUTURA DA PASTAGEM E CONSUMO DE PASTO
       
  21/11/2003  

FERNANDO DE PAULA LEONEL
Trabalho apresentado como parte da disciplina ZOO753, no 1º semestre de 2003, sob coordenação do Prof. Domicio do Nascimento Junior

A produção de bovinos tem por objetivo principal, o fornecimento de proteína de alta qualidade, devendo ser acima de tudo, economicamente viável para atender às necessidades alimentares das populações, especificamente aquelas de baixa renda.
O Brasil possui o 2o maior rebanho de gado bovino do mundo, sendo o maior rebanho comercial, com cerca de 165 milhões de cabeças. Da totalidade deste rebanho, 75% dos animais são específicos para corte, 20% se referem ao rebanho leiteiro e os demais são de dupla aptidão. Com relação ao abate de bovinos, o Brasil encontra-se em 3o lugar no ranking mundial, sendo abatidas anualmente, 30,4 milhões de cabeças (13,2% dos abates mundiais).
Nosso país, apesar de ser o detentor do segundo maior rebanho bovino do mundo, sua população, apresenta um baixo consumo per capta da carne oriunda dessa espécie. Contudo, observa-se, uma tendência de melhoria nas taxas de produtividade do rebanho e maior ênfase na qualidade das carcaças. Estima-se para o ano 2005, um rebanho de 208 milhões de cabeças com desfrute de 22% e produção de 7,7 milhões de toneladas de carcaça, correspondendo a uma produtividade de 42,8 kg/hectare.
Entretanto, para alcançar tais índices produtivos, e viabilizar uma pecuária caracterizada por um ciclo mais curto, em busca de uma maior eficiência econômica, é necessário que, a nutrição não se torne um entrave à obtenção desses objetivos.
É sempre bom lembrar que o pilar de sustentação nutricional, ou melhor, o banco alimentar de nosso gado bovino é o pasto, e que é a partir desse recurso, “o pasto”, que se obtém produtos nobres como carne e leite. E que a produção de um animal é primeiramente controlada pela quantidade de alimento que esse ingere diariamente, de modo que, o princípio da conservação da matéria (nada se cria nada se perde, tudo se transforma) é sempre obedecido.
Ressalta, outrossim, que na maioria dos sistemas de produção, a tarefa de colheita do pasto cabe aos próprios animais, que possuem estratégias específicas para a obtenção de suas demandas nutricionais. Ao homem, manejador (administrador) do sistema ecopastoril, cabe a procura pelo entendimento da maior harmonia entre a interface planta animal, de modo a proporcionar sustentabilidade ecológica e econômica a tal sistema.
Diante desse contexto, objetiva-se, com essa revisão, tecer comentários sobre consumo de forragens por animais em pastejo, bem como, relatar alguns aspectos relevantes a despeito do efeito da plasticidade fenotípica das plantas forrageiras, e do arranjo estrutural da pastagem sobre o consumo de pasto por algumas espécies de ruminantes domésticos.
 
Retornar Seleção para leitura Artigo  sem moldura do site
 
   :: Fale Conosco ::
Todos os direitos reservados Domicio do Nascimento Junior. Produção do WebSite Valter Lobo