Domicio do Nascimento Junior
 

Seleção para leitura
Consorciacao de pastagens
Manejo do Pastejo
Considerações do Professor
Avaliação de Pastagens com Animais
Avaliação de Forrageiras
Avaliação da Digestibilidade
Anatomia e Histologia
Adubação nitrogenada
Consumo
Capim-Elefante
Desfolhação
Degradação de Pastagens
Formação de pastagens
Ecologia
Fixação de Nitrogênio
Fenação
Irrigação de pastagens
Glossário
Manejo de pastagens
Morfogênese
Nutrição a pasto
Queima de pastagens
Produção de Matéria Seca das Pastagens
Perfilhamento
PRODUÇÃO ANIMAL A PASTO
Pastagens Nativas
Produção de sementes
Principios de Fisiologia
Pragas das pastagens
Raízes
Reciclagem de Nutrientes
Silagem
Seletividade animal
Suplementação
Sustentabilidade de pastagens
Valor Nutritivo

   Avaliação de Pastagens com Animais

      AVALIAÇÃO DE PASTAGENS: PRODUÇÃO DE MATÉRICA SECA E COMPOSIÇÃO BOTÂNICA
       
  2/7/2001  

Trabalho apresentado como parte das exigências da Disciplina ZOO 650 - Forragicultura.
Aluno: Emerson Alexandrino
Prof.: Domicio do Nascimento Jr.
VIÇOSA - MG, Julho - 1997

A maior fonte alimentar de grande número de animais, que fornecem a maior parte da produção mundial de
carne, leite, couro, lã, além de outros produtos vem do sistema de pastagens naturais. Além de superar em
área, também é a de maior importância, quando comparado as pastagens cultivadas. Devido a esse destaque
no sistema produtivo, evidencia-se a grande importância e necessidade de estudos que investigam o seu
comportamento, bem como a estrutura, a produção e composição de forma a promover uma evolução deste
suporte produtivo. O conhecimento mais profundo de alguns parâmetros quantitativos e qualitativos da
vegetação, bem como a definição de padrões com as quais a condição das pastagens possa ser avaliadas é
fundamental para o estabelecimento de um programa de utilização e manejo (ARAUJO, 1977).
A composição botânica descreve o arranjo das espécies em determinada área, sendo considerada a melhor
propriedade para identificar sítio ecológicos; como medida dinâmica, é usada para detectar mudanças a eles
impostas, visto que o inter-relacionamento das espécies depende do meio ambiente. A composição botânica é
expressa em termos florísticos, podendo ser medida, quantitativamente, por meio da freqüência de ocorrência
(presença), do número (densidade), cobertura (área) e do peso. proporção das espécies, com base no peso,
é, geralmente, a medida mais útil, visto que reflete a produção da pastagem, que está intimamente relacionada
com a produtividade animal (TOTHIL, 1979).
A topografia é também um importante fator de influencia sobre a vegetação, sendo freqüente o fato dos solos
similares em muitos aspectos, mas com topografias diferentes, suportarem vegetações distintas (BROW e
LOWENSTEIN, 1978). Esta é de influencia indireta, uma vez que tem efeito na umidade do solo sendo um
fator dos mais importantes, tanto para a distribuição das espécies bem como para o numero de plantas de
determinada área. Aponta, ainda, a menor competitividade de algumas espécies por recursos disponíveis,
sobretudo por água, como fator de aceleração do crescimento e dominância sobre outras espécies durante
uma sucessão vegetal. PIMENTEL et al., (1982), em estudo de caracterização da vegetação de
pedopaisagem côncavo e convexa da região de Viçosa, afirmaram que a freqüência de ocorrência das
espécies indicadoras poderia ser classificada com base no grau de tolerância de cada espécie ao pH, à
saturação de Al+3 e ao índice de toxidez de Al+3.
A vegetação tem a capacidade de se ajustar-se dinamicamente às mudanças que ocorrem no meio em que se
encontram e pode ser utilizado para detectar mudanças nesse meio. Segundo HANSON, 1958, as relações
das espécies com o meio ambiente são seguidas por 3 princípios inerentes a própria espécie: as espécies
requerem uma quantidade mínima de água e nutrientes para se desenvolverem, cada espécie só pode viver
dentro de sua amplitude ecológica ; cada espécie tem sua própria capacidade ou eficiência na composição
vegetal e na distribuição das espécies dentro de uma área (FERRI, 1979).
Estudos de análise da vegetação envolvendo o levantamento da composição botânica e da produtividade das
pastagens naturais, tem sido feitos em varias partes do mundo, visando, principalmente, no aproveitamento da
vegetação natural para a produção animal. No entanto, a complexidade da obtenção das amostras para
analise tem-se constituído num dos maiores problemas. Uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos que
trabalham com avaliação da pastagem nativas ou naturais relacionam-se com a enorme variabilidade da
vegetação. A grande diversidade de espécies nos sistemas naturais de vegetação tropical e subtropical é uma
rica fonte de variabilidade, onde em sua composição botânica, pode ocorrer mudanças dependendo do
manejo a que são submetidas. É muito importante o conhecimento destas variações, de modo a desejar
espécies dominantes , mantendo a composição botânica mais produtiva. O método mais comumente utilizado
no sistema de avaliação de pastagens, considerado o padrão consiste no corte e separação manual dos
componentes. Este método, se destaca por ser destrutivo, lento e trabalhoso, o que para grandes áreas
torna-se impraticável. A busca de métodos rápidos, precisos e baratos para a avaliação de parâmetro de
pastagens vem sendo buscado por pesquisadores, em diversas regiões do mundo. Hoje, tem se desenvolvidos
métodos não destrutivos, que envolvem estimativas visuais, possibilitando um grande número de observações
e rapidez na avaliação das tendências das mudanças da vegetação. Apesar dos vários métodos e técnicas de
análise botânica da vegetação, o sucesso da avaliação vai depender, fundamentalmente da escolha do método
aplicável a cada caso particular, MOREIRA et al., (1982).
Desta forma, o objetivo deste trabalho é revisar as metodologias de avaliação da produção de matéria seca e
composição botânica.
 
Retornar Seleção para leitura Artigo  sem moldura do site
 
   :: Fale Conosco ::
Todos os direitos reservados Domicio do Nascimento Junior. Produção do WebSite Valter Lobo