Domicio do Nascimento Junior
 

Seleção para leitura
Consorciacao de pastagens
Manejo do Pastejo
Considerações do Professor
Avaliação de Pastagens com Animais
Avaliação de Forrageiras
Avaliação da Digestibilidade
Anatomia e Histologia
Adubação nitrogenada
Consumo
Capim-Elefante
Desfolhação
Degradação de Pastagens
Formação de pastagens
Ecologia
Fixação de Nitrogênio
Fenação
Irrigação de pastagens
Glossário
Manejo de pastagens
Morfogênese
Nutrição a pasto
Queima de pastagens
Produção de Matéria Seca das Pastagens
Perfilhamento
PRODUÇÃO ANIMAL A PASTO
Pastagens Nativas
Produção de sementes
Principios de Fisiologia
Pragas das pastagens
Raízes
Reciclagem de Nutrientes
Silagem
Seletividade animal
Suplementação
Sustentabilidade de pastagens
Valor Nutritivo

   Desfolhação

      RESPOSTAS DAS PLANTAS FORRAGEIRAS AO CORTE E AO PASTEJO
       
  29/6/2001  

Trabalho apresentado como parte das exigências da Disciplina ZOO 650 - Forragicultura.
Aluno: João Paulo Guimarães
Prof.: Domicio do Nascimento Jr.
VIÇOSA - MG, Julho - 1997

A maioria das plantas forrageiras, principalmente as tropicais apresentam um elevado potencial de produção,
sendo que a distribuição destas gramíneas geograficamente é determinada pelas várias interações entre
fatores climáticos e edáficos. No entanto, sua composição e sua produtividade são influenciados por fatores
bióticos.
A influência que os elementos climáticos exercem sobre o crescimento vegetal, vem sendo estudado há
muitos anos por vários pesquisadores, entretanto se faz necessário, o estudo mais apurado sobre a utilização
destas pastagens através de métodos de cortes, assim como a sua utilização para o pastejo.
Segundo Gardner (1986), na maioria dos casos, as pastagens são utilizadas por animais em regime de pastejo.
Por conseguinte, os resultados obtidos em experimentos, onde a produção de forragem é medida sob o
regime de cortes, poderão não refletir o desempenho da pastagem quando a mesma é pastejada.
As diferentes respostas das plantas a estes processos, estam intimamente relacionadas pelo método de
desfolhação, que representa um momento de estresse para a planta, caracterizado não apenas pela
momentânea supressão da sua capacidade de fixação do gás carbônico e queda nos teores de carboidratos,
como também, pela paralização do crescimento das raízes, pela diminuição da atividade respiratória e
absorção de nutrientes das raízes (Davidson e Milthorpe, 1965).
As vantagens e desvantagens de se usar o corte mecânico como simulação do pastejo foram citados por
Jameson (1962), onde observou as seguintes limitações do corte mecânico:
Os animais puxam e quebram as plantas em alturas variáveis; m
A preferência dos animais por uma espécie não é considerada; m
Não há efeito do pisoteio; m
A acumulação de matéria orgânica é diferente daquela sob pastejo. m
A desfolhação, que é usualmente parcial em plantas de pastagens, induz a mudanças compensatórias no
funcionamento de vários orgãos da planta.
Estas mudanças incluem reativação da fotossíntese em folhas residuais, redistribuição de assimilados,
especialmente de carboidratos, dentro da planta, estímulo a produção de hormônios que promovem e
controlam o desenvolvimento de meristemas, crescimento reduzido de raízes e redução na fixação de
nitrogênio em raízes de leguminosas. Esses ajustamentos fisiológicos contribuem para a recuperação da
planta e início de novo crescimento.
 
Retornar Seleção para leitura Artigo  sem moldura do site
 
   :: Fale Conosco ::
Todos os direitos reservados Domicio do Nascimento Junior. Produção do WebSite Valter Lobo