Domicio do Nascimento Junior
 

Seleção para leitura
Consorciacao de pastagens
Manejo do Pastejo
Considerações do Professor
Avaliação de Pastagens com Animais
Avaliação de Forrageiras
Avaliação da Digestibilidade
Anatomia e Histologia
Adubação nitrogenada
Consumo
Capim-Elefante
Desfolhação
Degradação de Pastagens
Formação de pastagens
Ecologia
Fixação de Nitrogênio
Fenação
Irrigação de pastagens
Glossário
Manejo de pastagens
Morfogênese
Nutrição a pasto
Queima de pastagens
Produção de Matéria Seca das Pastagens
Perfilhamento
PRODUÇÃO ANIMAL A PASTO
Pastagens Nativas
Produção de sementes
Principios de Fisiologia
Pragas das pastagens
Raízes
Reciclagem de Nutrientes
Silagem
Seletividade animal
Suplementação
Sustentabilidade de pastagens
Valor Nutritivo

   Reciclagem de Nutrientes

      RECICLAGEM DE NITROGÊNIO NO ECOSSISTEMA DE PASTAGENS
       
  27/6/2001  

Aluna: Viviane Glaucia de Souza - 31459
Prof.: Domicio do Nascimento Jr.

O Nitrogênio (N) é um elemento importante para o crescimento das gramíneas forrageiras, pois acelera a formação e crescimento de novas folhas, melhora o vigor de rebrota, incrementando a sua recuperação após o corte, resultando em maior produção
e capacidade de suporte das pastagens (CECATO et al., 1996).
A introdução de Brachiaria decumbens nos Cerrados na década de 70 ocasionou grandeexpansão da pecuária nesta região. Estima-se que cerca de 50% das pastagens estabelecidas naquele período estejam em processo de degradação, com perda do
potencial produtivo e da capacidade de suporte animal (OLIVEIRA et al., 1995). De acordo com SOARES et al. (1998), existem inúmeros fatores que influenciam na produtividade de uma pastagem, entre eles pode-se citar o estabelecimento, incluindo a
adubação de base, o manejo, o tipo de animal usado, etc. No entanto, um dos fatores mais significativos no nosso meio pela baixa produtividade das pastagens é o baixo nível
de N no solo.
Apesar de muito abundante na atmosfera e existirem diversas rotas para permanente incorporação de nitrogênio nos ecossistemas, há uma constante insuficiência de N.
WEDIN (1996) enumera algumas hipóteses para a permanente limitação de N:
l A fixação de N atmosférico por bactérias de vida livre ou associadas a plantas é um processo muito dispendioso energeticamente (960 kJ mol -1 de N fixado ou 25 a 30
mol de ATP mol -1 de N 2 fixado (MARSCHNER, 1995));
l O ciclo do N é extremamente "frouxo" (leaky) comparado com o ciclo dos outros nutrientes. Há várias rotas onde o N pode ser perdido dos ecossistemas. Perdas gasosas (N 2 , N 2 O, NH 3 ) e por lixiviação de NO 3 - , além da contribuição do fogo
para perda de N para a atmosfera;
l Diferente dos outros nutrientes essenciais o nitrogênio tem sua disponibilidade regulada por componentes bióticos. A quebra das ligações C-N e a mineralização do N de forma a estar disponível para a absorção pelas plantas é muito dispendiosa para os microrganismos do solo em termos de energia e enzimas.
Além da composição química dos resíduos das plantas ter um papel fundamental no controle da decomposição da matéria orgânica e no balanço entre mineralização e imobilização do N.
Em pastagens de países de clima temperado pelo menos 50 % da produtividade das forrageiras é função da grande utilização de fertilizantes, além de ser uma importante ferramenta de manejo utilizadas pelos produtores para modular a produção (JARVIS et al., 1995). Já nos sistemas extensivos dos trópicos, a fertilização nitrogenada é, na maioria dos casos, inviável economicamente (DÖBEREINER, 1997; TOLEDO, 1985).
Deste modo, a maximização da reciclagem de nutrientes visa maior eficiência produtiva, no sistema, a sustentabilidade do mesmo e maior proteção do ambiente relacionado à poluição da água e da atmosfera (MONTEIRO e WERNER, 1997).
 
Retornar Seleção para leitura Artigo  sem moldura do site
 
   :: Fale Conosco ::
Todos os direitos reservados Domicio do Nascimento Junior. Produção do WebSite Valter Lobo