Domicio do Nascimento Junior
 

Seleção para leitura
Consorciacao de pastagens
Manejo do Pastejo
Considerações do Professor
Avaliação de Pastagens com Animais
Avaliação de Forrageiras
Avaliação da Digestibilidade
Anatomia e Histologia
Adubação nitrogenada
Consumo
Capim-Elefante
Desfolhação
Degradação de Pastagens
Formação de pastagens
Ecologia
Fixação de Nitrogênio
Fenação
Irrigação de pastagens
Glossário
Manejo de pastagens
Morfogênese
Nutrição a pasto
Queima de pastagens
Produção de Matéria Seca das Pastagens
Perfilhamento
PRODUÇÃO ANIMAL A PASTO
Pastagens Nativas
Produção de sementes
Principios de Fisiologia
Pragas das pastagens
Raízes
Reciclagem de Nutrientes
Silagem
Seletividade animal
Suplementação
Sustentabilidade de pastagens
Valor Nutritivo

   Manejo de pastagens

      ECOFISIOLOGIA DA PRODUÇÃO ANIMAL EM PASTAGENS E SUAS IMPLICAÇÕES SOBRE O DESEMPENHO E A PRODUTIVIDADE DE SISTEMAS PASTORIS
       
  18/6/2007  

Sila Carneiro da Silva 1
Domicio do Nascimento Júnior 2

1 Professor Associado do Departamento de Zootecnia, ESALQ/USP, pesquisador do CNPq, scdsilva@esalq.usp.br
2 Professor Titular do Departamento de Zootecnia, UFV, Viçosa, Pesquisador do CNPq, domicio@ufv.br


1. Introdução
A produção animal em pastagens é o resultado da interação de uma série de processos inerentes à produção de forragem, consumo e conversão da forragem ingerida em produto animal. Esses são processos bastante distintos e de objetivos muitas vezes antagônicos quando se leva em consideração o desempenho isolado de plantas e animais (Hodgson, 1990), fato que normalmente resulta em interpretações equivocadas de ocorrências no campo e gera o conceito distorcido de que “na prática a teoria é outra”. Duas são as explicações
possíveis para aqueles que se apóiam nesse tipo de argumento: (1) desconhecimento da teoria ou (2) conhecimento prático deficiente e limitado. Na verdade, as respostas de plantas e animais podem ser compreendidas e um ponto de equilíbrio ótimo entre ambos encontrado se práticas ou estratégiasde manejo fossem planejadas e idealizadas tomandopor base como plantas e animais respondem a variações em
estrutura dos pastos (e.g., altura, massa de forragem (etc.), verdadeiro elo e ponto de convergência dos processos envolvidos na produção animal em pastagens (Da Silva, 2004; Da Silva & Nascimento Jr, 2006). Essa forma de considerar e encarar o processo produtivo, levando-se em consideração as respostas de plantas e animais em condições específicas de meio, caracterizadas por estruturas de pasto e disponibilidade de fatores de crescimento, respeitando seus requerimentos e ritmos fisiológicos, corresponde à ecofisiologia
das plantas forrageiras e a ecologia do pastejo, e tem sido a forma pela qual avanços significativos têm sido alcançados em termos de práticas de manejo e produção animal.
O presente texto tem por objetivo discutir o assunto, apresentando resultados recentes de forma integrada às práticas correntes de manejo, alertando para a importância potencial e a necessidade de conhecimento acerca da ecofisiologia de plantas forrageiras como forma de permitir que ajustes finos possam ser realizados no manejo do pastejo e ganhos significativos em eficiência produtiva e produtividade gerados em pastagens tropicais.
 
Retornar Seleção para leitura Artigo  sem moldura do site
 
   :: Fale Conosco ::
Todos os direitos reservados Domicio do Nascimento Junior. Produção do WebSite Valter Lobo